quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Ônibus ateu pelo mundo. E no Brasil?

Do you like this post?
Primeiro foi Londres em 2008, com uma mensagem cientificamente correta, mas com margem à contra-argumentos ("Deus provavelmente não existe. Pare de se preocupar e aproveite a vida").


Depois se seguiram campanhas em Barcelona (em espanhol e catalão!), com o mesmo texto, e em Washington, mas com um texto, digamos, mais politicamente correto, sem afirmações fortes. A mais recente campanha acontecerá em Gênova (Itália) em fevereiro (e outras várias estão sendo organizadas).


O texto agora é mais forte, mas creio que mais efetivo também ("A má notícia é que Deus não existe. A boa é que você não precisa dele").

E no Brasil? A recém fundada ATEA (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) também está promovendo algo similar aqui no Brasil, mas a forma do texto ainda não foi decidida. A questão, porém, é outra. Há uma enorme diferença entre o Brasil e os países europeus. O mapa abaixo mostra o resultado de uma pesquisa da Eurobarometer em 2005 incluindo seguinte afirmação "Eu não acredito que haja algum tipo de espírito, Deus ou força vital":


Há os países tradicionalmente católicos, como Itália, Polônia, Portugal, Irlanda, etc. Mas há também números incrivelmente altos, como na França. Não conheço resultados semelhantes para o Brasil, mas na página da ATEA encontramos:
Por exemplo, para medir índices de rejeição, há décadas o instituto Gallup vem perguntando aos norte-americanos se eles votariam para presidente em um indivíduo no geral bem qualificado e indicado pelo partido de sua preferência, caso ele fosse judeu, negro, mulher, etc. Os ateus têm hoje o maior índice de de rejeição (53% não votariam em um ateu), bem à frente do segundo colocado (43% não votariam em um homossexual). A revista Veja encomendou uma pesquisa ao CNT/Sensus e descobriu que 84% dos brasileiros votariam em um negro para presidente da República, 57% dariam o voto a uma mulher, 32% aceitariam votar em um homossexual, mas apenas 13% votariam em um candidato ateu.
Embora eu seja simpático à uma campanha de esclarecimento da opinião pública de que nós ateus não somos monstros e que podemos ter altos padrões éticos e morais, a reação esperada frente à uma campanha nos ônibus nos moldes ingleses será esta aqui abaixo. Mas talvez sirva para explicitar um pouco a intolerância que a pesquisa acima quantificou e trazer à discussão esse assunto, que normalmente é considerado tabu. Mas não neste blog.

ATUALIZAÇÃO (17.1.09):

Depois do motorista inglês que se recusou a dirigir um "ônibus ateu" em Londres, por se sentir ofendido (aqui e aqui), o sindicato dos motoristas de ônibus de Gênova está alegando objeção de consciênciacontra a campanha. Nesses casos, felizmente, o efeito é positivo e pode atrair mais atenção do que a mensagem nos ônibus. A censura, em um país fortemente influenciado pelo Vaticano, era esperada.

Já a ameaçadora mensagem abaixo, não gera protestos:


ATUALIZAÇÃO (02.02.2009): se você não gostar do(s) slogan(s) escolhido(s), crie o seu próprio com o Bus Slogan Generator.

3 comentários:

Jef disse...

Para complementar, um cartoon do Jesus and Mo.

Anônimo disse...

"...todo dia, dia-a-dia, a cada hora eu sei com Deus eu posso contar." Pessoas inteligentes usariam um espaço como esse primeiramente para não fazer julgamento de valor...ops, vcs não sabem o que deve ser isso, não!!!
Não tem prolblema irão ter um num dia desses qualquer.

A Paz de Deus!

Jeferson Arenzon disse...

Nós pelo menos temos a coragem de assinar nossos textos. E nossas mensagens não são auto-contraditórias.